Arquivo da tag: Eu recomendo

Adolescência, doces e cultura pop: três blogs que você tem que ler

Padrão

Ok, mais de um mês sem atualizar o blog. E dessa vez eu nem tenho uma boa desculpa. Foi preguiça mesmo, porque eu ando cheia de ideias pra novos posts. E nem vou prometer atualizações com mais frequência, porque quem lê isso aqui nem acredita mais na minha promessa. =P

Então, vamos ao que interessa?

Já que eu tô de férias da faculdade e nem me dou ao trabalho de postar no blog, alguma coisa eu devo andar fazendo, né? Pois bem. Resolvi compartilhar com vocês essa dica: três blogs MARA que eu conheci há pouco tempo, e que valem a bisbilhotada.

DEPOIS DOS QUINZE

Quem escreve: Bruna Vieira, 17 anos, estudante do 3º ano do ensino médio.

Assuntos: Universo feminino em geral, principalmente para o público adolescente/jovem. Dicas de maquiagem, moda, lojas virtuais, fotografia etc.

Vale o clique: Diga não ao bullying – Nesse post, a Bruna conta como superou o bullying e indica o link pra uma matéria sobre ela no site da Capricho. Muita gente já passou ou ainda passa por isso, e a história dela é um exemplo legal a ser seguido.

  • Vocês já conheceram um site/blog daqueles lindos, que simplesmente dá vontade de ver até a última página? O Depois dos Quinze é desses. O conteúdo simplesmente te dá certeza de que a blogueira e as colaboradoras amam aquilo que fazem, levam a sério o trabalho e, principalmente, se preocupam com seus leitores. O blog é todo fofo, super atualizado (eu deveria aprender a lição…), faz um sucesso enorme, é parceiro da Capricho, já foi tema de matérias de revistas e jornais do Brasil inteiro… Sério, depois disso, o que vocês estão esperando pra visitar? =)

CLUELESS

Quem escreve: Fernanda Lopes, 19 anos, estudante de Jornalismo.

Assunto: Cultura pop. Livros, filmes, dicas de sites, listas de melhores e piores.

Vale o clique: Semana Harry Potter. A autora do blog dedicou essa semana, em que estreou o último filme do Harry Potter, pra fazer posts sobre assunto legais relacionados à história de J.K. Rowling. Comece por este post: Thank you, Harry!

  • Ok, cultura pop, é tipo assim, meu assunto preferido EVER. Leio muitos blogs sobre isso, e espero um dia trabalhar com jornalismo cultural. E amo, amo, AMO fazer listas. Aliás, nunca fiz nenhuma aqui, mas estou consertando este ‘erro’. O Clueless é um blog ótimo pra pegar dicas de filmes bons, e de tumbrls muito divertidos, daqueles de passar horas fuçando. Adoro!

JUJUBA GOURMET

Quem escreve: Larissa, jornalista; Manuela, 22 anos, jornalista; Marina, 24 anos; e Sabrina, 32 anos, designer.

Assunto: DOCES! Guloseimas recém-lançadas, sabores curiosos e até duvidosos, e mais um monte de coisas ‘engordativas’ de deixar morrendo de vontade de se afundar no chocolate.

Vale o clique: KitKat: ele voltou e Leite condensado cremoso da Nestlè  – lançamentos nacionais, desses que os maníacos por doces (eu!) vão caçar nas prateleiras do supermercado.

  • Um aviso: NÃO LEIA ESTE BLOG SE VOCÊ ESTIVER DE DIETA. É sério. É muita foto tentadora pra uma pessoa conseguir aguentar. Por mais que eu esteja bem-alimentada (de doces), sempre que eu visito o Jujuba fico com vontade de comer mais. É quase o pecado da gula em forma de site. Fico feliz que são quatro meninas que experimentam os doces pra postar no blog, porque se fosse uma só, ela provavelmente sofreria de diabetes e pesaria 400 quilos. É legal se você viu um doce diferente pra vender, mas tá com medo de gastar dinheiro com porcaria. Se as meninas já experimentaram, dá pra tomar sua decisão sem correr maiores riscos.

Espero que tenham curtido os blogs!!

Deixem suas dicas de endereços legais pra visitar nessas férias nos comentários!

Até a próxima!

Anúncios

Eu recomendo – Incontrolável e Juntos pelo acaso

Padrão

Olha só, gente, eu aqui de novo! Vou aproveitar que esses dias estão mais calmos pra postar bastante. Espero os comentários, okay? =)

Esse final de semana eu assisti dois filmes bem legais: o primeiro é “Incontrolável”, do diretor Tony Scott, e o segundo é “Juntos pelo acaso“, de Greg Berlanti. São filmes TOTALMENTE diferentes. Um é de ação, o outro é comédia romântica. Eu achei que valia a pena contar um pouco mais sobre eles pra vocês.

Vamos por partes:

Incontrolável:

(as sinopses que encontrei em sites especializados pareciam escritas por um narrador da sessão da tarde, então eu escrevi a minha própria)

SINOPSE: Um trem sem maquinista e transportando carga explosiva ameaça descarrilar, atingindo uma grande cidade dos EUA e matando milhares de pessoas. Para tentar evitar a tragédia, o condutor Will (Chris Pine, aquele lindo) e o maquinista Frank (Denzel Washington), tentam uma manobra arriscada para impedir o trem desgovernado de atingir a cidade. Baseado em fatos reais.

Sabe aqueles filmes que te deixam tensa do começo ao fim e que te obrigam a xingar os personagens quando eles fazem burradas (eu faço isso)? Então, esse filme é assim. Tudo acontece muito rápido, e o espectador compatilha o nervosismos dos personagens, que por sinal, transmitem suas emoções de um jeito muito convincente.

Apesar de toda essa tensão, é um filme leve, porque não precisa pensar nada muito pra entender a história. Vale a pena pra quem gosta de ação e de filme pipoca.

TRAILER:

Juntos pelo acaso:

Pra mim, só uma expressão define esse filme: ÓÓÓUNNN *.*

SINOPSE: Juntos pelo acaso conta a história de Holly (Katherine Heigl) e Messer (Josh Duhamel), que são escolhidos para serem padrinhos da pequena Sophie, filha de um casal de amigos. O problema é que os dois se odeiam mortalmente. Os pais de Sophie morrem em um trágico acidente de carro, e Holly e Messer sõa designados para compartilhar a guarda da menina. Agora os dois são obrigados a conviver juntos e enfrentar as dificuldades de criar um bebê e  formar uma família.

Sério, que filme mais FOFO! É aquele tipo de história que a gente não quer que termine nunca, e quer saber o que acontece depois que o filme acaba. Sou muito fã da Katherine Heigl e esse filmes de comédia romântica, então sou suspeita pra falar. Mas olha, vale a pena. A trilha sonora é muito boa também, e vai de Amy Winehouse a uma versão mais fofa e calminha de Sweet Child O’Mine, do Guns’n’Roses.

Também é muito legal acompanhar o crescimento da menininha e a dificuldade dos personagens pra lidar com ela, e as coisas que bebês fazem, tipo cocô em lugares não muito apropriados, jogar comida na parede, etc.

TRAILER:

E aí, vão assistir ou já assistiram??? Tem dicas de filmes parecidos? Deixem suas opiniões nos comentários!

Até a próxima!

Minha estréia como compradora virtual, parte 1: o “antes”

Padrão

Quando a gente vicia em sites de moda e beleza, também acaba tendo vontade de experimentar outra coisa: a compra internacional. Existem muitas vantagens e desvantagens em comprar em sites gringos. Uma das coisas positivas é que alguns produtos importados que encontramos pra vender no Brasil, nesse sites são vendidos “direto da fonte”, ou seja, vêm de seu país de origem pela metade do preço.

Eu morria de medo de comprar alguma coisa gringa e o produto nunca chegar. Ou então da encomenda ficar presa na Receita Federal e eu ter que pagar uma taxa gigantesca pra poder retirá-la. Mas eu sempre tive muita vontade de “investir” em umas coisas legais sobre as quais algumas blogueiras vivem falando.

Aí chegou o Natal e o Papai Noel (mais conhecido como ‘minha família’) me trouxe dinheiro de presente. E eu resolvi deixar o medo de lado e me jogar nos sites internacionais. Fiz minha primeira compra na Cherry Culture, uma loja muito recomendada por blogueiras e por uma amiga, que já tinha feito encomendas por lá e recebido tudo direitinho. Não sabia como fazer pra ter meu cadastro no site e nem como fazer o pagamento (que foi feito via PayPal, o modo que eu considero mais seguro, porque não necessita que o número do cartão de crédito seja informado no site da compra, somente no PayPal, que media a transação). Mas é pra isso que existe o Google, né gente? Fui lá pesquisar como comprar no Cherry, e achei esse vídeo. É ótimo, explica tudo bem direitinho.

Ok, aí eu tomei coragem e comprei! Os produtos escolhidos foram esses (cliquem sobre os nomes par air até a página do Cherry onde se localiza o produto – informações em inglês):

Fiz a compra no dia 30 de dezembro, apesar de ser mais recomendado que não se compre nada fora do Brasil entre novembro e janeiro, porque o Correio daqui fica cheio de encomendas e com a “organização” deles, as chances de ter um pacote extraviado aumentam. Porém, como tinha um aviso no Cherry Culture dizendo que o pedido só seria processado a partir de 5 de janeiro, eu fiquei menos preocupada.

Sobre o frete: No Cherry Culture, você tem duas opções de frete. Uma é com número de rastreio, ou seja, você recebe um número de acompanhamento, com o qual pode consultar pelo site dos Correios onde está a sua compra, a data em que foi despachada, quando chegou no Brasil, etc. Se eu fosse comprar com número de rastreio, só o frete sairia $30,00. Pois é, dólares. Então eu escolhi a opção mais arriscada porém mais barata (sou pobre, gente). O frete sem rastreio é infinitamente mais em conta. Não lembro exatamente quanto foi o custo para as minhas compras, mas foi algo em torno de $9,00. Porém, eu não tive como acompanhar o “caminho” do pacote, por isso, se demorasse, sei lá… 2 meses pra chegar a encomenda eu teria que esperar sem reclamar, porque não tinha como saber onde estava o pacote. A escolha do tipo de frete fica muito a critério do cliente. Sempre tem que pensar se vale a pena desembolsar uma grana bem maior pelo “frete seguro”.

Depois da compra finalizada é que vem a pior parte: a ansiedade para que a encomenda chegue logo, e o medo de ser taxada pela Receita Federal. Confesso que eu não esperava receber nada até que se completassem 30 dias da compra, e o meu pedido foi processado no dia 6 de janeiro, conforme fui comunicada por e-mail. Qual não foi minha supresa/alegria/felicidade/alívio, quando, menos de 15 dias úteis depois, eu recebo meu pacote em casa, perfeitinho, com os produtos caprichosamente embalados, todos em ótimo estado? Gente, dá um alívio que, olha…

Bom, mas o meu objetivo com esse post, além de mostrar que compras internacionais podem dar certo sim, e que em grande parte das vezes vale muito a pena esperar a entrega, já que a economia em comparação com o preço daqui é muito grande, é mostrar a qualidade dos produtos, pra deixar todo mundo com vontade de se jogar nas compras em dólares. =)

E tem mais! A segunda parte da saga Compras Virtuais (aloca) vem nesse fim de semana! No próximo post eu vou mostrar os detalhes dos produtos que comprei e se valeu mesmo correr todos os riscos característicos de uma compra via internet e fora do país.

Enquanto isso, falem sobre as suas experiências! Até 😉

Eu recomendo – A Última Música

Padrão

Nova tag do blog, onde eu vou recomendar livros e filmes que li/assisti. Como sempre, o e-mail do blog e os comentários estão disponíveis para sugestões para que esta tag possa ser melhorada! Vamos começar com um livro:

Capa do livro no Brasil

Título: A Última Música (The Last Song)

Autor: Nicholas Sparks

Resumo: Aos dezessete anos, Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, vê sua vida virar de cabeça para baixo, quando seus pais se divorciam e seu pai decide ir para a praia de Wrightsville, na Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos pais, particularmente do pai. Entretanto, sua mãe decide que seria melhor os filhos passarem as férias de verão com o pai na Carolina do Norte.

O pai de Ronnie, ex-pianista, vive tranquilamente na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda e qualquer tentativa de aproximação do pai e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. É quando Ronnie conhece Will, o garoto mais popular da cidade, e conforme vai “baixando a guarda”, começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma imensa felicidade – e dor – jamais sentida.

Uma história inesquecível de amor, carinho e compreensão – o primeiro amor, o amadurecimento, a relação entre pais e filhos, o recomeço e o perdão – A ÚLTIMA MÚSICA demonstra, como só Nicholas Sparks consegue, as várias maneiras que o amor é capaz de partir e curar seu coração.

*fonte: http://www.sinopsedolivro.net/livro/a-ultima-musica.html

Minha opinião: Minha vontade de ler Nicholas Sparks veio quando o filme Querido John foi lançado. Me interessei pela história, e quando vi que era baseada em um livro, resolvi lê-lo. Gostei do livro, apesar de a história ser bastante previsível.

Recentemente, vi em uma livraria o lançamento de Nicholas Sparks “A Última Música”. Dei uma pesquisada na internet, e descobri que era a obra que tinha dado origem ao filme de mesmo nome, estrelado pela Miley Cyrus (ninguém merece). Quis ler o livro mesmo assim, já que eu gostei do estilo da escrita do autor.

Pra quem não sabe, eu já vou logo avisando: é uma história de romance bem melosa, então se você não gosta desse estilo, pode passar longe.

Diferente de Querido John, A Última Música não é assim tão previsível. Algumas coisas eu adivinhei que aconteceriam, outras me pegaram de surpresa.  Não vou falar mais nada pra não estragar a história, caso alguém pretenda ler.  Outra coisa: não se deixe irritar pela personagem principal logo no começo. Primeiro você vai achá-la uma chata, mas rapidinho se acostuma.  O personagem Jonah é outro que merece destaque: ele é o irmão fofo de 10 anos da protagonista, e é responsável por dar o tom de humor à narrativa.

Apesar de ser como na maioria dos livros de romance, em que o protagonista por quem a mocinha se apaixona é a personificação do príncipe encantado e, conseqüentemente, impossível de existir na vida real, a história é boa, e faz com que a gente se envolva e queira saber logo como as coisas vão se desenvolver.  Outra: prepare-se para os clichês românticos. Você vai ler frases que já leu em outros 104858 livros do mesmo gênero.

Mas o principal é que a história de Ronnie é uma lição de vida. Faz a gente ver como nossos problemas são pequenos, como é importante saber perdoar, e principalmente, que se revoltar com as coisas não leva a nada, se não fizermos nada para mudá-las.

Melhor frase do livro: A verdade só tem significado quando é difícil de ser admitida. (página 323)

Eu recomendo a leitura!

Nota final: 4,5/5

OBS.: O blog foi citado na página de blogs do Sindicato dos Jornalistas do RS. Fiquei muito feliz! *.*